segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Antípoda (S.M.) e movimento


Se permita ter incertezas sobre você. E sobre o mundo.

Ninguém é intocável e todo mundo precisa de constantes retoques. Você é o centro do seu sistema, o seu mundinho gira em torno de você. E no mundo, cada ponto tem sua antípoda. Ei, ensino médio, lembra dessa? São lugares opostos num globo. Sua vida tem suas oposições. Seus argumentos, personalidade, padrão de pessoas que você conversa, suas emoções. São muitos marcadores, mas nunca o suficiente. É direita, esquerda ou centro? É a favor ou contra? É coxinha ou pastel? Fria ou melodramática? Mais seu signo solar ou ascendente?

Ignore tudo aquilo que soar homogêneo demais. Você não tem que ser o cliente perfeito. Nada foi feito especialmente para você. Oscilações rolam o tempo todo e você não tem que ser a sua religião. A sua ideologia. O seu ídolo. Não tem que se limiar. Por que deveria? Sua vida não é uma pesquisa do IBGE onde você é 1 em x. Você não é um gênero impresso, uma sexualidade literal, uma feminista de vertente x que não se preocupa em refletir alguns pontos que te dão um incômodozinho. Dizer que gosta, por exemplo, de música pop não te obriga a gostar de todos os artistas pop. Dizer que gosta da cultura indiana não te obriga a gostar de tudo o que ela inclui. O mesmo para um movimento artístico, um diretor, um escritor, uma tendência...

Você não é só uma raiz da sua família, do seu curso, da sua idade ou de um grupo do facebook. E não tem que buscar nada do que sua família, seu curso, a galera da sua idade ou de um grupo do facebook (ou de uma blogueira qualquer) dizem para você buscar. Não se sabote pelo outro.

Porque vão falar do seu peso dizendo que é preocupação com sua saúde enquanto um tem pressão alta e bebe um engradado de cerveja por semana, cultivando bacon por todos os poros. Vão criticar sua escolha de cor e corte de cabelo dizendo que não combinam com você (mas quem pode te dizer quem é você e o que te representa?). Vão falar da sua roupa por não ser um uniforme de vitrine. Vão falar da sua pele porque você se recusa a gastar 300 reais por mês em tratamentos anti idade (envelhecer é uma maldição). Vão querer te jogar em times, em classificações e qualquer coisa que te padronize. Da forma que te faça encontrar problemas em você mesma, porque gente infeliz consome mais para acabar com os 'problemas'.

Se mudar (de ideia) é um crime,  cada casa é uma cadeia. Suas ideias não estão em pedestais. Independente da sua idade, dos seus doutorados, do seu signo, lua, mercúrio. Não se enxergue como um brinquedo Playmobil para maiores de 18 meses - uma figura geométrica que encaixa em uma abertura do seu formato exato. Não tem ponto. Nada é estático.

Tá liberado usar saia midi, cursar física, assistir Girls, ouvir  MC Carol, ler Freud, comer pão de alho, ser panssexual, problematizar games, dalçar valsa, fazer pole dance, tocar sax e seguir 63% de uma religião, tudo ao mesmo tempo e sem vínculos entre si ou com a eternidade? Tá!

7 comentários:

  1. Ai, que post lindo! <3
    Eu virei leitora fantasma desde que você veio pro bob, já tiveram várias postagens que me deixaram ~que incrível~, mas ultimamente estou mais do que nunca levantando a bandeira do "liberte-se das falsas prisões", então pensei "vou colocar a cara nos comentários". hahaha :x
    Eu sou esquisita pois não me encaixo em nada. hahaha Eu gosto de coisas que fazem parte de grupos diferentes e dai viro um alien ou a "sai de cima do muro". Bah, que chatice. Não posso ser um pouco dos dois? Posso. E sou. E até mais de dois, pois muitas vezes duas opções é pouco demais.
    É que vivemos tão no quadrado, acreditando que só podemos ser as opções que nos enfiam goela abaixo, que esquecemos que podemos ser o que bem entendermos! Então posts assim são de utilidade humana! hahaha :p
    Beijo, Amanda! :D

    ResponderExcluir
  2. AI LINDAAAAAAA
    Mas é verdade, parece que tudo o que a gente é/decide precisa se encaixar num dos x conceitos limitados que alguém cria. Daí termina como um milhão de pessoas frustradas por ~não terem identidade~, ~não saberem quem são~ quando na verdade só não são um trecho de dicionário. Simprix! Beijo!

    ResponderExcluir
  3. " Se eu for ligar pro que é que vão falar não faço nada."

    ResponderExcluir
  4. Que texto maravilhoso <3 tirou incertezas que eu tinha e agora tudo ficou muito claro . Temos que parar de nos limitar só por que alguem acha que não seria legal e tudo mais ..

    ResponderExcluir
  5. Simm, certíssimo! Feliz que gostou <3

    ResponderExcluir