sexta-feira, 7 de agosto de 2015

Cabeça de purê e omelete

nunca quis tanto cantar quanto quando rouca.
abusar da voz gritar tagarelar contar
pela enésima vez
a mesma história.
nunca histórias foram tão
vivas
cheias de textura poros calor cheiro
abusar, quero abusos
quero unhas
arrebentar fios
pular janelas correr fugir perseguir
tentar ser tentada ter uma tentativa
usar a droga da unha arrebentar torcer amassar
arrancar a roupa a pele a carne bater
a cabeça na parede
mascar pimenta morder os lábios
e exprimir algo mais que um gritinho agonizante chato
que me faz rir depois chorar e dar um suspiro cansado
e querer quebrar alguma coisa arrancar o cabelo
de lua, querer te quebrar
e em dois segundos, dar um beijo num canto do rosto.
é tão fácil lidar comigo.

2 comentários:

  1. Li seu texto umas três vezes, apenas imaginando um casal em uma sala. Ela, tagarelando tudo isso sem parar nem p respirar, e ele, olhando p ela, fixo e calado. E no final, quando ela enfim respirasse, ele diria: eu sei <3
    CAAAAAAARA <3 <3 <3 <3 *corações eternos*

    ResponderExcluir