quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Puxe e empurre


Rígida, dura, assustada
olhos quicando de um ponto a outro da sala
de guarda alta das pernas trêmulas e farda falsa
(não consigo proteger nem a mim nem a ninguém)
tenho medo do meu reflexo no escuro
não pertenço a lugar algum
além do ônibus, com o assento ao lado da janela (aberta)
indo aonde quer que for
medo
mas sou um incêndio com você
e não sei se devia
se estou pisando torto
se seria melhor ir antes de todas as cinzas e asfixia
mas tudo é maravilhoso
numa cena de cortinas fechadas
debaixo da mesa
arrepiada com pele querendo mais pele
ou no meio da chuva
correndo escorregando
tecido colado no corpo
cantando alto e desafinando
pessoas encarando enquanto rio despreocupadamente
já que ainda consigo me surpreender
(e como é bom estar viva)

4 comentários:

  1. Isso foi o poema mais incrível que li em 2015,que me tocou profundamente! ♥

    ResponderExcluir
  2. Adoro ler uma poesia que me coloca no lugar do eu lírico.
    Me enxerguei em cada linha do que li. Profundo!

    Beijos
    M | Lacrymosa.com.br

    ResponderExcluir
  3. Que bom que gostou ♥ obrigada!

    ResponderExcluir