terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

A importância de argumentar consigo num documento do word


 Março passado eu queria me livrar de umas amarras que acabei construindo durante a vida de escola. Queria aproveitar que tinha me livrado do ensino médio e de muita gente que me fazia mal de alguma forma (porque nem todo mundo carrega bons ~legados~ e memórias da época da escola). Primeira vez numa faculdade, primeira vez num lugar com 0 indivíduos que eu conhecia e eu não poderia ser presa pelo que me dizem ser.
do
Quer dizer, você tem muito em si do que os outros dizem. A avoada, a sincera, a fria, a melancólica, a fã-de-Woody-Allen, a artista, a boa memória, a memória ruim, a chorona. As vezes você não reflete, concorda e pronto: aquilo faz parte de você. É como ler um mapa astral ("tendências") e dar um jeito de se enfiar nele por inteiro. Precisamos desenvolver nossa intuição.
E um senso da nossa realidade.
Basicamente, seria interessante reconhecer o que fazemos sobre nós mesmos. Que tipo de carga nos permitimos levar por aí. Assumiir. Aos poucos. Quem eu seria se ninguém interferisse em mim?
E por "interferir", não digo interagir, etc. Digo te ditar. Se ninguém te dissesse o que você é. Sem essa barreira de conceito talvez tenha mais possibilidades dentro de você do que consegue enxergar diante dos outros. Talvez seja bom ficar introspecta por um tempo só para ver isso. Entender o que é impulso, o que é 'errado', o que te conforta em você mesma...

Mas voltando.
Algumas palavras já estão meio saturadas na boca. Leio "desconstruir" quarenta mil vezes ao dia e já é um saco (não o ato, a sobrecarga da palavra). Então vou falar desmembrar. Entenda como um conceito semelhante mesmo.

Liste seus problemas. Preocupações. Coisas que te incomodam. É a timidez? Não conseguir opinar? Não conseguir falar em público?
Desmembre. Converse com você fazendo um texto. Um parágrafo por problema, como quiser. Explique para você como explicaria para um amigo porque não deveria fazer isso ou aquilo.

Exemplo:
Não ter vergonha de falar uma bobagem. Porque ninguém vai ficar quarenta anos apontando o dedo na sua cara falando "olha só, você falou uma bobagem" porque ninguém está isento disso. Pode ter sido sem querer, pode ser algo que fez sentido para você por um momento. Mas culpa é um sentimento inútil e ficar voltando a esse ponto não vai acrescentar nada porque 1) não vai te fazer se sentir melhor e nem 2) vai fazer o passado sumir, E se, por um acaso, alguém ficar jogando isso na sua cara, não é pra ter vergonha de si. É pra ter vergonha desse alguém mesmo. Abs.

Deu pra entender? Quem fizer esse 'exercício' depois me conta se ajudou?

10 comentários:

  1. Bom, eu acabei de sair do ensino médio, nem peguei meu diploma ainda (um alô pras greves), e esses foram os melhores e piores anos até agora, quer dizer, foi engraçado, mas quero esquecer porque não sei se foi correto, porque eu ria pros colegas mesmo com tudo aquilo me incomodando, e porque eu não gritei quando tinha vontade. Então, é, tenho coisas pra desconstruir, muitas mesmo, sobre mime sobre os outros. Não vejo a hora de tirar algumas coisas daqui de dentro e colocar novas no lugar. Prometo que na próxima eu abro o word, hoje não consegui esperar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim! As vezes a gente até reflete sozinho sobre essas coisas, mas é muito fácil se perder só em pensamentos. Então é bom escrever e ter essa facilidade maior de se expressar, apagar, reescrever. Tanto para não se perder no raciocínio quanto para poder consultar e relembrar depois (e ver se te adiantou a desconstrução).

      Excluir
  2. Eu faço isso, salvo com data e hora que escrevi, depois de tempos releio e é interessante ver sua evolução, que coisas que te incomodavam muito, não fazem diferença mais. É realmente uma conversa consigo, e desestressa bastante. As vezes, quando se explanca coisas que te perturbam, dá pra ter uma noção da dimensão do problema, que na verdade só ta na sua cabeça hehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. SIMMM exatamente! Eu também salvo com datas (aproximadas, mas, ah). Eu fiquei super feliz quando 'esqueci' o documento e abri só 7 meses depois e vi que NADA daquilo me incomodava mais. Foi aí que comecei a dar corda.

      Excluir
  3. Dia desses li um post daqui (não lembro qual exatamente) em que você falou ~brevemente~ sobre desconstruir situações. Daí que eu fui tentar, mas não tive o resultado esperado. Primeiramente porque eu só desabafei e não pensei em como lidar com o problema. Se eu sou péssima com conselhos? Ah, claro que n... SIM.
    Mas enfim, vou tentar novamente. Sempre que passo no BOB fico super motivada etc.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que só o desabafo não adianta muito mesmo, mas você pode tentar pedir a ajuda de alguém no que acha viável contar para alguém. Daí você escuta o que a pessoa tem a dizer e tenta absorver e repassar isso pra si mesma. Se quiser, pode tentar até comigo HAHA
      E o post pode ter sido esse http://www.bossaebrisa.com/2015/12/para-comecar-2016-mais-resolvida-com.html mas eu falo isso de forma meio picada em várias situações, talvez tenha mais HAHAHA

      Excluir
  4. Cara, eu estou ansiosa para a faculdade, ano passado nao consegui ingressar então nao fiz nada, graças a deus não vou ver ninguem que estudava comigo...
    Eu já fiz esse exercício, mas não por escrito, as vezes eu gosto de pensar que tem duas eu no meu quarto ~parece loucura para uma estudante de psicologia~ e eu falo tudo o que eu penso e meus problemas, depois é interessante que meio que automaticamente, depois de tirar tudo o que havia dentro de mim, eu começo a pensar com clareza sobre tudo, tendo ideias e conselhos...
    Eu gosto de escrever, ainda farei uma faculdade de jornalismo mas, eu escrevo para libertar a minha alma, então meio que isso ajuda também,não é bem o mesmo exercício que tu propôs mas, ajuda também.

    http://www.inocentementeingenua.net/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Simmmm! A ~alternativa~ de escrever é meio que pra quem acaba se perdendo no raciocínio, então fica mais fácil tendo tudo escrito. Mas é uma versão, o importante é que te ajuda! HAHAHA não parece loucura não!

      Excluir
  5. houve uma conexão de pensamento aqui kkkk "Quem eu seria se ninguém interferisse em mim?" essa é realmente uma boa pergunta. A gente se deixa levar né? é preciso ter cuidado pra não virar espelho do mundo, sendo o que os outros já são.
    Também me livrei da escola e parti pra faculdade, e o bom de não conhecer ninguém é ter 0 expectativas em cima de você,ninguém sabe o que esperar,posso ser a merda que eu quiser. Já deviamos pensar assim sempre,maaaas né

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dependendo de como sua escola era e qual faculdade escolhe até esbarra com umas "relíquias" na faculdade mesmo. Mas, olha... Eu tive a sorte de conhecer 0 indivíduos HAHAHAHA
      E isso de se deixar levar muitas vezes nem é notado. É meio que um deve-ser-mesmo-né-então-vamos-sendo-assim AHAHAAH

      Excluir