quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

É só um contorno


você me vê
se é que vê
como uma silhueta um
instrumento
as cordas arrebentaram, que pena
vamos enterrar dar descarga tirar das vistas
a serventia acabou e não podemos mais nos dar o luxo de coexistir
mas quanta urgência repentina apareceu
sem que eu caia nessa
de atalhos em estradas ruins
atrasos disfarçados
destrua a linha de chegada, ninguém está competindo
não tenho pressa
não movo um dedo 
ou quilômetros
por quem não move centímetros
ou rotaciona a cabeça em alguns graus
e outros se entreolham
cutuques e sussurros
já que é engraçado ver alguém no momento mágico de se dar conta
(não completamente, mas ainda não tenho todas as virtudes que poderia)

4 comentários: