sábado, 13 de fevereiro de 2016

O que diabos eu sou então


Eu não gosto de atritos
de talvez, de duvidar dos contextos (e de mim)
assusto com convicções do alto do muro, pôsteres de revoluções
a revolução das causas perdidas
conselhos que se expelem mas não se assimilam 
firmeza forjada 
(de quem anda de salto)
entender, esclarecer
se ver como uma personagem
colocado sempre na postura de auto afirmativo
eu sou ele é eles não sabem
uma pequena biografia, alguns caracteres
frases simples e representativas
já que, claro, é muito fácil se representar assim
mas ninguém está no dicionário para ser assim tão simples
só ser
Todo mundo parece muito seguro com suas personagens
enquanto eu sou aquele cachorro correndo atrás do rabo
se eu sou o que sou ou o que me dizem que sou
pelo costume de absorver as características que me apontam
não saber no que em quem acreditar
assinar um tratado de livre arbítrio com o destino
noite em claro convenções conveniência
não me igualar às pessoas
que suas aspirações são diferentes das minhas
e eu já não me sinto em casa
não sei se é a minha intuição ou razão ou dor de estômago
mas tudo ainda parece uma grande massa sovada
e o sabor que salta poderia muito bem ser aquele ingrediente que não faz falta
ou um aglomerado de gostos artificial
tudo o que presumo tem um nome e uma ficha
e para voltar à lucidez, começo do básico falando em voz alto
nome, idade, rua onde cresceu, cor da casa
que nem num filme
(cinema tem várias ideias, vai que funciona)

4 comentários:

  1. Adoro esses poemas reflexivos que você faz por aqui, Amanda!
    Gostei muito desse trecho: "Todo mundo parece muito seguro com suas personagens
    enquanto eu sou aquele cachorro correndo atrás do rabo
    se eu sou o que sou ou o que me dizem que sou
    pelo costume de absorver as características que me apontam
    não saber no que em quem acreditar".
    bjss
    blogtrashrock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Affff, que coisa mais linda, Amanda!!!
    Me identifiquei d e m a i s.
    Me conta um negócio: suas poesias são escritas num processo meio que intuitivo? Cê procura inspirações ou flui das suas vivências mesmo? Eu escrevo umas, mas sempre acho que fica horrível hahahha

    amorecando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. <333
    Geralmente "bate", vai do que tô sentindo. Mas eu gosto de ler/assistir/ver algumas coisas para ver se flui melhor, se acho a palavra certa etc

    ResponderExcluir