quarta-feira, 27 de julho de 2016

Desabando sem perder um pedaço



Parece que meus pulmões subiram uns quilômetros para respirar. Mal mal conseguem algum oxigênio, então a inspiração é curta e a expiração se dispersa pouco. Um milhão de hematomas, formigamentos e dores de cabeça. Pontadas no estômago. Racionalizar racionalizar. De onde vem por que veio como fazer passar. Pensar demais. Eu não procurei nada disso. Não, essas situações (sim, situações) que preciso enfrentar são aleatórias. Resultados de algorítimos complexos que arremessam pequenos dados para meus olhos. E o subconsciente trabalha. Uma comida que remete a um restaurante que fica numa rua onde fiz tal coisa com pessoa X e aí já desembola um milhão de circunstâncias que preferia manter bem bonitinhas encaixotadas na sala do "não me importo". 
Quando meu humor está relativamente estável, dá até para aceitar mesmo o quanto tudo isso é realmente irrelevante para mim. Como posso superar rápido, insensível. Racional, na verdade. Dá para ser racional. O raciocínio funciona muito bem quando tem lógica abertamente. Se alguém evidentemente te prejudica, não é bem esperto continuar ali do lado tendo uma opção atraente de se livrar do problema. Tá incompleto? Não é problema meu. História mal contada, mal escrita, faltando frase e ponto? Não. É. Problema. Meu. Agora e o resto?
Desbloquear e bloquear o celular checando a data, fazendo ligações mentalmente. Um ano exato ou por aí que tudo começou a clarear. E a partir daí surge sem querer uma linha do tempo bizarra.
As coisas são boas, mas são estranhas, mas são boas.
Mas as coisas são estranhas, mas boas, mas estranhas.
Mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas mas masmmmmm
Um milhão de hematomas, formigamentos e dores de cabeça. E nostalgia. Deus, por que desencadear tudo isso mesmo? Não sei se devia ser uma parede de eufemismo oscilando. Fases da lua, semanal. Lua em signos, a cada três dias. Hormônios femininos. Algorítimos de redes sociais, milhares de linhas. Coincidências semestrais. Não sei porque fiz, não sei o que estou fazendo ou o que vou fazer.
Se livrar do que te prejudica. É fácil dizer quando isso representa uma pessoa. Difícil explicar que o prejudicial, em alguns casos, não é um alguém: são efeitos de um alguém na sua cabeça.
Um alguém totalmente inofensivo, nenhuma tensão. Aí anestesia geral. E alguma pira, alucinação, nervosismo cancerígeno. Só minha, só culpa minha. Certeza, reafirmo certeza, você nega a certeza. Passo por louca, eu sempre passo por louca. Reclamo demais, as vezes histérica demais, sensível demais. Só digo uma coisa: nada tem a ver com TPM.
Autossuficiente. Procuro um apoio, aproveito demais. Compensação pelo orgulho, desespero, falta de filtro na língua. Falo falo falo falo. Não interessa se não se interessa. Eu sei disso. Mas é falar até ser ouvida, até ouvir algo útil de volta. Não escuto nada útil de volta.
Só um monte de charada sendo vomitada para os que entendem só responderem com algo do tipo "eu passo por isso sempre". "Ignora, deixa pra lá", "tem que engolir". Mas eu duvido. De todas as sentenças.
E ainda assim, fico em outro plano. Vista em terceira pessoa. Ao mesmo tempo, estou distante demais para saber se é fome, dor de estômago, saudade ou vontade de ir no banheiro. Mas prefiro as opções que são resolvidas apenas trancada no banheiro. Não chorar (o que é comum demais). Chorar não pode ser listado. É a única coisa que daria sentido e caminho à sensação de (não se descreve*),

*Adjetivo que diga sobre o vazio de se ter flashbacks sobre alguém que conquistou importância, principalmente depois de ter tempo para se pensar nessa importância. Daí um mix de remorso, estresse, excesso de análises desnecessárias sobre fatos pequenos normalmente relacionados à complacência. Confusão sobre o que ficou implícito demais (e provavelmente tão implícito para a outra pessoa, e, no final, blur geral para todos - envolvidos ou não). Dormência ao tentar chegar a algum ponto. Ponto não existe há séculos. Nada foi concluído e provavelmente nunca vai ser finalizado. Tentando entender também o que é mecânico nas ações antigas ou procurando fisgar qualquer sinal de justificativa plausível. Nenhuma tensão. Anestesia geral. Desvínculo dos sentimentos entre si, que se contradizem dentro da mesma pessoa.

2 comentários:

  1. Você escreve muito bem, principalmente desabafos, seria muito bom ler um livro seu <3.

    ✦ ✧ http://bruna-morgan.blogspot.com ✧ ✦

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ♥♥♥ e você também! E um livro, ai, quem sabe um dia!

      Excluir